“Todos vós sois um só em Cristo Jesus”. (Gl 3,28d)


Carta aos Gálatas - 50 anos do “Mês da Bíblia”


O “Mês da Bíblia” é tempo privilegiado para aprofundar o conhecimento bíblico e crescer na Espiritualidade Bíblica nas comunidades cristãs. A Bíblia é o livro mais lido no mundo. Usado, inclusive, na leitura diária e na oração diária, por muitas pessoas. Todos os anos, no Mês da Bíblia, todos temos oportunidade de aprofundar um dos livros bíblicos. Estudo que nos é oferecido pela Comissão bíblico-catequética da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), desde 1971.


Para o jubileu do “Mês da Bíblia”, em 2021, o tema escolhido é a Carta de São Paulo aos Gálatas e o lema: “todos vós sois um só em Cristo Jesus” (Gl 3,28).

São Paulo, grande missionário no início do cristianismo começa a formar a comunidade cristã de gálatas, a partir dos ensinamentos de Jesus.


Vejamos o rosto das comunidades urbanas da Galácia. A população urbana da Galácia, como em toda a Ásia Menor, era constituída por pessoas de baixa renda e de precárias condições socioeconômicas, escravos, livres, trabalhadores manuais, comerciantes, ricos, pobres e fortemente marcadas por aldeias. A carta de Paulo é cheia de retórica, teologicamente sofisticada, que nos faz concluir que Paulo fundou as Igrejas da Galácia não entre pobres e não estudados, mas, sim entre a população urbana romanizada e helenizada.


Contexto da Carta

Após a evangelização de Paulo, a comunidade dos Gálatas cresceu de maneira exemplar. Porém, de início, enfrentou um perigo, quando grupos de “cristãos-judeus” (judaizantes), que começaram a deturpar o ensino dado por Paulo.


Paulo, zeloso judeu, conhecia as sagradas escrituras judaicas, rabino, conhecia as cidades em sua cultura, os grupos sociais e a mensagem salvadora de Jesus Cristo. Cativado pela mensagem de Jesus, de uma maneira extraordinária, Paulo havia ensinado aos gálatas a viver na liberdade, igualdade e na unidade a fé na Pessoa, Missão, Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo. O ensino de Paulo era direcionado a pessoas interessadas na emancipação religiosa, cultural, social e política. Do contrário, o ensino de grupos judeus-cristãos, exigia que os simpatizantes convertidos ao cristianismo, seguissem, primeiro, as leis judaicas e realizassem os rituais prescritos pela lei de Moisés, para serem salvos e depois seguir Jesus Cristo. Com esse ensinamento, iam contra os ensinamentos, combinados com os apóstolos, Paulo e Barnabé, em Jerusalém (At 15,13-21, 28-29). Alguns membros da comunidade adotaram os ensinamentos dos judaizantes radicais e começaram a incentivar outros a seguir a cultura e os costumes judaicos, e negar a autoridade do Apóstolo Paulo e o Evangelho.


Paulo inicia a carta com uma chamada de atenção à comunidade de Gálatas. Escreve a carta, com emoção aos membros da Galácia, por estar extremamente preocupado, porque eles estavam se afastando do Senhor e seguindo os ensinamentos de pessoas que “distorciam o Evangelho” (Gl 1,6-7). Ele repreende com firmeza, tanto aos membros desviados da comunidade, quanto aos falsos mestres que os influenciavam. Instrui a comunidade mostrando, mais uma vez, o caminho, relembra os pontos importantes da fé cristã e a base do verdadeiro Evangelho de Jesus; relembra aos Gálatas de que o ensino dado por ele é o verdadeiro Evangelho.


A Carta aos Gálatas contém uma das primeiras explicações escritas da doutrina da justificação, segundo a qual não somos justificados pelos rituais da lei de Moisés, mas sim, pela fé em Jesus Cristo que redimiu a humanidade da maldição da lei. E também ataca o grupo judaizante com seu projeto de dividir a comunidade, com falsos ensinamentos, contrários ao ensinamento de Jesus.

Encontramos grandes temas na Carta aos Gálatas, onde podemos estudar, debater e aprofundar, temas como:

1) A Vida de um Missionário;

2) O Evangelho de Jesus Cristo Crucificado;

3) O Evangelho da Liberdade e Igualdade;

4) A Redenção trazida pelo Cristo;

5) A Unidade em Cristo;

6) A Justificação pela Fé em Jesus Cristo;

7) A Presença e Aceitação dos Pagãos na Igreja;

8) Aceitação do Outro na Comunidade;

9) Paulo o Apóstolo de Jesus Cristo;

10) Viver na União e na Ternura pela Evangelização;

11) O Espírito é a Nova Lei;

12) O Encanto pelo Legalismo e Fundamentalismo;

13) Os Frutos do Espírito na sua Vida Cristã e na Vida da Comunidade;

14) A Visão Paulina da Mensagem de Cristo;

15) A Visão Legalista e Visão Mística na Igreja, e, assim por diante.


Temos a plena certeza de que o estudo da Carta aos Gálatas trará um novo ânimo aos que debruçam sobre ela durante esse tempo oportuno.


Adaptado: Revista Semeando N.74, Ano 39, pág.15




Irmã Hermelinda Maria Ruschel, Missionária Serva do Espírito Santo, Membro da Equipe de Comunicação da Província Divina Sabedoria e Coordenadora do Comidi Diocese de Ponta Grossa-PR.

Posts Recentes