Líderes e Liderados: A Cultura Organizacional dos Colégios das SSpS


As demandas e desafios das instituições de ensino neste tempo de pandemia provocam a necessidade de uma liderança facilitadora, com habilidades para gerenciar desempenhos flexíveis, ágeis e, sobretudo, que desempenhem suas funções com integridade, justiça e que transformem liderados em líderes. As gestoras dos colégios da rede educação SSpS, ao longo dos anos, vem formando líderes que internalizaram os valores e a cultura da organização. Neste tempo de pandemia estão em destaque os líderes inovadores e, sobretudo, aqueles que têm habilidades no uso das tecnologias e trabalho em equipe.


As lideranças dos colégios da rede SSpS têm como exemplo uma tradição de mais de dois mil anos do líder Jesus Cristo, filho de um carpinteiro que, ao crescer iniciou a religião mais popular do planeta. Jesus Cristo influenciou e desenvolveu líderes num processo relacional e contínuo, formando uma consciência de unidade em seus discípulos. Jesus disse aos discípulos que eles poderiam fazer tudo o que Ele fazia e, ainda, “coisas maiores.” (Jo14,12). Essa era a verdadeira essência: todos poderiam ser líderes. Jesus formou líderes e não seguidores.

O escritor Hunter em seu livro O Monge e o Executivo, apresenta a ideia de que a essência da liderança está no amor Ágape. Ágape é uma palavra de origem grega que significa amor que se doa incondicionalmente, e passa, antes de tudo, pela experiência de servo. Na concepção de Hunter, o amor e suas virtudes (honestidade, paciência, bondade, respeito, perdão, compromisso e humildade), revelam os fundamentos do caráter e representam bem a essência da identidade de liderança.


Formas emergentes de liderança, como as concepções autêntica e servidora pressupõem colaboradores envolvidos, comprometidos e satisfeitos, ou seja, estão preparados e aptos para assumir responsabilidades estratégicas na instituição. Embora a liderança servidora, esteja entre uma das mais adequadas para as instituições das SSpS, regidas pelo princípio de serviço e atenção ao próximo, estas seguem o modelo dominante exercido na educação confessional católica, através de uma hierarquia vertical com funções bem definidas. Na organização das SSpS, também é possível notar os conceitos defendidos por Schein por apresentarem uma visão humanista com traços tradicionais e poder centralizado nas religiosas. O que tem mudado consideravelmente neste tempo de pandemia.


Os Colégios da rede SSpS fazem parte de uma instituição confessional católica e isso traz implicações, como a vivência da fé, atitude ética e prática da justiça sobre o trabalho dos colaboradores e, assim, como o desenvolvimento da identidade de lideranças comprometida com os valores ético-cristãos que perpetuarão o legado dos fundadores que inspiram sua filosofia e seus princípios.

Cultura Organizacional


Os valores morais e éticos são fundamentais no exercício da liderança e na organização SSpS. Em entrevista realizada com colaboradores dos quatro colégios da instituição foi possível compreender que os colaboradores que se percebem como líderes tendem a pensar e agir conforme a cultura da instituição. O entrevistado No9 explica: “Pelo fato de estarmos trabalhando nessa instituição há tantos anos, acabamos adquirindo características diferenciadas, ou seja, a gente passa a internalizar características e valores que são próprios desse ambiente. Eu percebo essa questão de valores que são difundidos pelas irmãs, eles estão presentes nos meus pensamentos políticos, na forma de pensar a sociedade”.


O cuidado com o próximo, a formação humanista, o envolvimento com projetos sociais e o senso de justiça são destacados como fundamentais no desenvolvimento da identidade dos líderes dessa rede de educação. Isso é respaldado pelo objetivo de educar para a vida, com foco nos valores humano-cristãos, embasados na cultura organizacional para formar líderes éticos e comprometidos com a missão da instituição, conforme apresenta Irmã Olmira Dassoler.


Os valores da instituição, que são o coração da cultura organizacional, orientam simbolicamente as práticas dos indivíduos que nela interagem. As narrativas dos entrevistados permitem compreender que indivíduos são vistos como líderes de grupo à medida que eles integram comportamentos e atitudes que são aceitos e valorizados pela organização. Eles são reconhecidos como líderes na medida em que se identificam, respeitam e promovem os interesses, as normas do grupo e da organização. Ao incorporá-las, eles são endossados como líderes e isso implica em maior influência e poder de decisão.


Assim, as gestoras dos colégios da rede SSpS incentivam seus colaboradores e abraçarem a cultura e valores, como audácia, simplicidade, modéstia, humildade e espiritualidade, tal como foram compreendidos e vividos pelo fundador Santo Arnaldo Janssen. O papel do fundador e das primeiras líderes, Madres Maria e Josefa, é considerado elemento estruturador da cultura nos colégios.



Irmã Zélia Cordeiro, SSpS

Jornalista, Coordenadora de Comunicação da Província Divina Sabedoria (BRS)

Mestra em Gestão e Negócios - Unisinos e IAE de Poitiers




Posts Recentes