A Santidade no Cotidiano da Vida


O Papa Francisco, no documento sobre a Santidade, propõe características espirituais, que considera indispensáveis para “compreender o estilo de vida” – caminho da santidade, ao qual o Senhor nos chama. Além dos meios de santificação, já conhecidos, que a Igreja propõe aos cristãos.


O Papa nos recorda “cinco grandes manifestações do Amor a Deus e ao próximo, que considera importantes, diante dos riscos e limites da cultura atual, tais como: a “ansiedade nervosa e violenta; o negativismo e a tristeza; a submissão cômoda, consumista e egoísta; o individualismo e as formas de falsa espiritualidade” presentes no mercado religioso (Art 111).


A seguir vamos refletir sobre as cinco características apresentadas pelo Papa.


1) Tolerância, Paciência e Mansidão: centrar-se e permanecer no Amor de Deus que nos ama e nos sustenta. O estar firmes em Deus ajuda-nos a enfrentar as dificuldades e vicissitudes da vida, agressões de outros, as próprias debilidades. Em Deus se encontra a fonte da paz que transparece nas atitudes do santo, da santa. “O testemunho de santidade é feito de paciência e constância no bem”. (Art 112). São sinal de verdadeira força, atitudes como as que São Paulo pede aos Romanos: não pagar o mal com o mal, não fazer justiça por conta própria, vencer o mal com o bem. (Art 112). “O santo é capaz de guardar silêncio sobre os defeitos dos outros e evita a violência verbal” (116), nem faz discursos ofensivos, considerando a si mesmo superior aos demais. A humildade adquirida através de humilhações, oferecidas a Deus, são caminho de santidade. Cristo é nossa paz” (Ef2,4) e veio “dirigir nossos passos no caminho da paz (Lc 1,79).


2. Alegria, Sentido e Humor: ser santo não é ser triste, amargo, melancólico, tímido, sem energia. Ser cristão santo é “alegria no Espírito Santo” (Rm 14,17), porque “do amor de caridade, segue-se necessariamente a alegria”. A caridade gera alegria, energia e bom humor. Mesmo em meio a grandes sofrimentos, de dor, a alegria não é sufocada, pelo contrário, “é segurança interior, provoca uma serenidade cheia de esperança” (125). A verdadeira alegria não é passageira, porque não é uma alegria consumista, ocasional e individualista. “O amor fraterno multiplica a nossa capacidade de alegria” (128). Alegrar-se com o bem de outrem.


3. Ousadia e Ardor: nos Artigos 129 -139, do documento, o Papa nos convida a deixar-nos conduzir pelo Espírito Santo e irmos em missão, para viver a santidade. A “santidade é ousadia, é impulso evangelizador que deixa marca neste mundo”. É o próprio Jesus que nos acompanha, repetindo-nos “Não tenhais medo!” (Mc 6,50) Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos”. (Mt 28,20). Portanto, estar no caminho da santidade, encoraja-nos a partir e servir, com alegria, ardor apostólico e coragem que o Espírito Santo suscita em nós. Em Jesus, a compaixão o impelia a sair, anunciar, enviar, curar e libertar. Deixar que Jesus nos tome pela mão e nos lance em missão. Se estamos em Seu amor “nada será capaz de nos separar do amor de Deus” (Rm 8,39).


4. Em Comunidade: o caminho da santidade é comunitário: família, paróquia, comunidade religiosa ou em qualquer outra. Rezar, “viver, e trabalhar com outros é, sem dúvida, um caminho de crescimento espiritual” (art 141). Cultivar e dar atenção aos “pequenos detalhes” na prática do amor- caridade, onde estamos, também nos garante que estamos a caminho.


5. Em Oração Constante: “A santidade é feita da abertura habitual à transcendência, que se expressa na oração e na adoração” (art 147). O santo/a santa sente necessidade do encontro com Deus na oração, de comunicar-se com Deus. É difícil acreditar em santidade sem esse contato direto com Deus Pai, Filho, Espírito Santo, nos diz o Papa. No silêncio da oração, o Espírito Santo, é possível discernir o caminho da santidade que o Senhor nos inspira e propõe. “Para todo discípulo, é indispensável estar com o Mestre, escutá-lo, aprender dele, aprender sempre” (art 150). Estar com o Mestre na leitura orante da Palavra de Deus, fazendo da Palavra “o farol e a luz em nosso caminhar rumo a santidade” (art 156). Na leitura orante de Mt 5, encontramos o caminho das bem-aventuranças, que nos conduz a verdadeira felicidade.


fonte: Gaudete et Exultate

sobre o chamado à santidade no mundo atual – Papa Francisco


Posts Recentes
Arquivo